fbpx

O mundo agradece

american and chinese flags and usa dollars
Foto Karolina Grabowska

EUA e China, os dois maiores poluidores do planeta, anunciam “ambicioso” acordo climático

Os Estados Unidos e a China, os dois maiores emissores de CO2 do planeta, anunciaram nesta quarta-feira (10/11) um acordo para reforçar a cooperação bilateral no enfrentamento do aquecimento global.

O pacto, anunciado de maneira surpreendente, inclui cortes nas emissões de metano, a eliminação escalonada do carvão como fonte de energia e a proteção das florestas.

O enviado especial para o clima dos Estados Unidos, John Kerry, e seu homólogo chinês, Xie Zhenhua, anunciaram o acordo durante a Conferência da ONU sobre as Mudanças Climáticas (COP26) em Glasgow, na Escócia. Ambos esperam que o anúncio possa fazer com que a COP26, que vem frustrando as expectativas de ambientalistas e ativistas pelo clima, tenha mais chances de se tornar um sucesso.

photo of an industrial factory emitting smoke
Foto Pixabay

Mais cedo, os organizadores da conferência alertaram que os compromissos assumidos até o momento em Glasgow são insuficientes para mitigar os problemas causados pelo aquecimento global, e pediram que os países fizessem mais, nos dois últimos dias que restam do evento.

“Juntos, expressamos nosso apoio a uma COP26 de sucesso, ao incluirmos certos elementos que promoverão mais ambição”, disse Kerry sobre acordo com a China. “Nesse momento, cada passo é importante, e temos uma longa jornada pela frente.”

Xie, por sua vez, disse que o acordo fará com que a China reforce suas metas de reduzir as emissões. “Os dois lados trabalharão em conjunto e também com outras partes para assegurar o sucesso da COP26 e facilitar um resultado que seja tanto ambicioso quanto equilibrado”, afirmou.
Ceticismo em relação à China

Até o anúncio do acordo, observadores se preocupavam com a ausência do presidente chinês, Xi Jinping, em Glasgow, e temiam que Pequim não assumisse compromissos substanciais, além de sua meta de atingir a neutralidade nas emissões de CO2 até 2060.

Os chineses ainda não haviam se posicionado em relação às emissões de metano, diretamente associadas à gigantesca indústria do carvão no país. Entretanto, o acordo com os americanos prevê a eliminação escalonada da exploração e do dessa fonte não renovável de energia, entre 2026 e 2030.

Para viabilizar o acordo, Washington deixou de lado algumas de suas disputas com Pequim, principalmente em questões humanitárias, como no caso do tratamento dados pelos chineses à minoria étnica uigur, entre outros temas espinhosos.

“Somos honestos quanto a nossas diferenças. Sabemos, certamente, quais são, e as mencionamos”, disse Kerry. “Mas, esse não é o meu ramo aqui. Meu trabalho é ser o ‘cara’ do clima e me manter focado em tentar avançar a agenda do clima.”

O negociador-chefe da União Europeia na COP26, Frans Timmermans, disse que o acordo pode dar algumas esperanças em Glasgow.

climate sign outside blur
Foto Markus Spiske

“É encorajador ver que esses países, em posições antagônicas em inúmeras áreas, encontraram terreno comum naquele que é o maior desafio que a humanidade enfrenta nos dias atuais”, observou. “Isso certamente nos ajudará, aqui na COP, a chegarmos a um acordo.”

O acordo bilateral pode se tornar uma vitória política para o presidente americano, Joe Biden, que visava retomar a liderança de seu país nas questões ambientais, após seu antecessor, Donald Trump, remover os EUA do Acordo Climático de Paris.

Por DW.com

%d blogueiros gostam disto: