fbpx

Tiro pode sair pela culatra

A abertura do mercado é vista com desconfiança por setores do Exército. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Empresa americana apoiada por Eduardo Bolsonaro recebe autorização para fabricar pistolas no Brasil

A empresa norte-americana SIG Sauer recebeu autorização do Exército para fabricar suas pistolas de calibre 9mm P320 pela Imbel (Indústria de Materiais Bélicos do Brasil), empresa estatal ligada ao Comando do Exército. A negociação teve apoio do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

O decreto, assinado pelo comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, foi publicado nessa 5ª feira (17.dez.2020) no Diário Oficial da União.

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, Eduardo teria feito lobby para a aprovação do plano de nacionalização. Ele postou vídeos e mensagens nas redes sociais para promover a empresa norte-americana.

Ainda não há um detalhamento de custos da operação. A Imbel depende de verbas federais. Em 2019, recebeu R$ 152,2 milhões para a produção de munições, fuzis e pistolas, basicamente para consumo das Forças Armadas.

Eduardo Bolsonaro, que sempre defendeu a entrada de empresas estrangeiras no mercado nacional, comemorou o acordo. Em postagem no Facebook, disse que “há expectativa” de produção não só das pistolas, mas também de fuzis e submetralhadoras, que não é contemplado no decreto.

A abertura do mercado, vista com desconfiança por setores do Exército, também tem o apoio da cúpula das Forças Armadas.

Já não temos violência demais no Brasil?

Em 2017, a estatal suíça Ruag recebeu aprovação para montar uma fábrica no Brasil, mas pressão da própria população fez o país desistir.

Outras empresas foram contatadas, inclusive a SIG Sauer. Uma delas, a nacional DFA, recebeu neste ano autorização para fabricar em Goiás pistolas eslovenas Arex e espingardas turcas Barathrum.

No caso da SIG Sauer, trata-se de uma produção sob licença de pistolas, e não da instalação da americana no país.

A brasileira Taurus vem internacionalizando cada vez mais sua produção desde a chegada de Bolsonaro à presidencia. Nesta semana, a fabricante, já presente em 100 países, fechou um acordo para a abertura de uma unidade na Índia.

Desde antes da campanha eleitoral de 2018, o presidente Jair Bolsonaro dizia que iria “quebrar o monopólio” da Taurus.

O presidente e seu filho Eduardo também alegam que o produto nacional é de pior qualidade.

No passado, já houve incidentes com a qualidade de fuzis da Taurus, embora não seja a única empresa com o problema. A própria SIG Sauer teve sua pistola P320 em recall nos EUA após casos de disparos involuntários.

A indústria nacional se queixa basicamente de tributação interna: 73% do custo de uma pistola feita no país é imposto.

Uma P320, que é feita de polímero, custa de R$ 12,5 mil a R$ 21,9 mil no site de sua distribuidora oficial no Brasil.

Por Poder360

%d blogueiros gostam disto: