fbpx

Calmante natural

Estar em contato com a natureza deixa crianças mais calmas

Estar em contato com a natureza faz um bem danado para todos nós. Enquanto as telas – e aqui toda nossa compreensão de que elas hoje são necessárias até para a saúde mental dos pais – nos deixam mais ligados e ativos, as plantas e a terra acalmam.

Já são muitos os estudos que provam o benefício da natureza na nossa vida. Falando especificamente sobre a tranquilidade e relaxamento, um estudo mostra os benefícios desse contato.

A pesquisa publicada no jornal científico Plos One revela que crianças pré-escolares que têm mais contato com a natureza são menos hiperativas, apresentam menos dificuldades comportamentais e emocionais e, como consequência, têm um comportamento social mais fluido.

photo of man and child reading book during daytime
Foto Andy Kuzma

Crianças nos centros urbanos

A pesquisa foi realizada em 2018, com 493 famílias, com filhos entre 2 e 5 anos, que participaram por meio de questionários. Foram avaliadas quatro áreas que refletem a relação da criança com a natureza: apreciação da natureza, empatia pela natureza, responsabilidade com a natureza e consciência da natureza.

O estudo, conduzido por especialistas das Universidades de Hong Kong, na China, e Auckland, na Austrália, foi tão relevante que o questionário está sendo implementado em vários países, para avaliar o quanto as crianças têm ou não contato com a natureza.

A pesquisa começa se baseando em crianças que vivem em grandes cidades. “A atividades de lazer das crianças que vivem em ambientes urbanos hoje mudaram de brincadeiras ativas ao ar livre, baseadas na natureza, para atividades passivas em ambientes fechados”.

girl in white and red crew neck t shirt using tablet
Photo by Julia M Cameron on Pexels.com

Segundo o estudo, essa mudança teve impactos negativos na linguagem e no desenvolvimento cognitivo das crianças e até mesmo foi associada à baixa autoconfiança.

“O contato com a natureza está positivamente associado à duração e qualidade do sono das crianças, níveis de atividade física, menor estresse, habilidades cognitivas superiores – como capacidade de atenção, memória, capacidade intelectual e resolução de problemas e criatividade”.

Enquanto isso, menor atividade física e maior comportamento sedentário foram associados a menor bem-estar psicológico – refletido por pontuações totais de dificuldades, problemas com colegas e sintomas emocionais, conforme medido pelo Strengths and Difficulties Questionnaire (SDQ), uma medida validada para funcionamento psicológico infantil.

“Em resumo, a exposição à natureza contribui para melhores resultados fisiológicos e de saúde mental para as crianças”, aponta o estudo.

Outra pesquisa, desta vez publicada em novembro de 2019 pela Universidade de Londres indica que crianças devam passar pelo menos uma hora por dia em contato com a natureza.

Neste caso, o impacto mais interessante talvez seja o menos visível. 8 em cada 10 participantes disseram se sentir mais confiantes após as atividades, enquanto 84% deles afirmaram se sentir mais capazes de fazer as coisas que tentassem.

Contato com a natureza

Quanto tempo leva para ter uma dose de natureza alta o suficiente para fazer as pessoas dizerem que se sentem saudáveis e que têm uma forte sensação de bem-estar? Precisamente 120 minutos.

Em um estudo com 20 mil pessoas, a equipe liderada por Mathew White, do Centro Europeu para o Meio Ambiente e Saúde Humana da Universidade de Exeter, descobriu que pessoas que passavam duas horas por semana em espaços verdes – parques locais ou outros ambientes naturais, todos de uma vez ou em intervalos de várias visitas – eram substancialmente mais propensos a relatar boa saúde e bem-estar psicológico do que aqueles que não o faziam.

Duas horas era um limite rígido: o estudo, publicado em junho de 2019, mostrou que não havia benefícios para as pessoas que não atingiam esse limite.

Os efeitos foram consideráveis, afetando diferentes ocupações, grupos étnicos, pessoas de áreas ricas e pobres e pessoas com doenças crônicas e deficiências.

“É bem sabido que ficar ao ar livre na natureza pode ser bom para a saúde e o bem-estar das pessoas, mas até agora não fomos capazes de dizer quanto é o suficiente”, disse White.

cute stylish child playing with chalks in the garden t
Foto Allan Mas

“Duas horas por semana são esperançosamente uma meta realista para muitas pessoas, especialmente considerando que pode ser distribuída por uma semana inteira para obter o benefício.”

O estudo de White e seus colegas é um dos mais recentes em uma área de pesquisa em rápida expansão que descobre que a natureza tem efeitos poderosos na saúde das pessoas – física, mental e emocionalmente.

“Quando eu escrevi Last Child in the Woods em 2005, este não era um assunto quente”, disse Richard Louv, jornalista em San Diego cujo livro é amplamente creditado por desencadear esse movimento e que cunhou o termo Transtorno de Déficit de Natureza.

“Esse assunto foi praticamente ignorado pelo mundo acadêmico. Pude encontrar 60 bons estudos. Agora está prestes a passar de mil estudos, e eles apontam em uma direção: a natureza não é apenas agradável, mas é algo necessário para a saúde física e funcionamento cognitivo”.

Esses estudos demonstraram que o tempo na natureza – desde que as pessoas se sintam seguras – é um antídoto para o estresse: pode reduzir a pressão arterial e os níveis de hormônio do estresse, reduzir a excitação do sistema nervoso, melhorar a função do sistema imunológico, aumentar a autoestima, reduzir a ansiedade, e melhorar o humor.

O Transtorno de Déficit de Atenção e a agressividade diminuem em ambientes naturais, o que também ajuda a acelerar a taxa de cura. Em um estudo recente, pesquisadores de unidades psiquiátricas descobriram que estar na natureza reduz os sentimentos de isolamento, promove a calma e melhora o humor dos pacientes.

O número de “escolas florestais” – que há muito são uma tradição na Escandinávia e onde grande parte do aprendizado ocorre em ambientes naturais ao ar livre – cresceu rapidamente nos Estados Unidos, um aumento de 500% desde 2012, de acordo com Louv.

Oregon recentemente aprovou uma medida eleitoral para arrecadar dinheiro para escolas ao ar livre, e o estado de Washington acabou de se tornar o primeiro estado a licenciar pré-escolas ao ar livre, onde grande parte das brincadeiras e do aprendizado ocorre fora.

A organização Children & Nature Network, fundada por Louv e outros, defende mais tempo na natureza para as crianças, acompanha a pesquisa e possui uma longa lista de resumos que resumem estudos sobre o assunto em seu site.

Compreender os efeitos terapêuticos da natureza pode chegar em um momento propício. Alguns estudos descobriram que a ansiedade em relação às mudanças climáticas é um fenômeno crescente. Ironicamente, um dos melhores antídotos para isso pode ser uma boa dose de espaços verdes.

Por Hypeness

%d blogueiros gostam disto: